•  

    Todos os anos, enquanto brasileiros, vivenciamos as inúmeras datas comemorativas que recheiam nossa cultura.

    A partir delas, muitas vezes podemos agir e nos comportar como seguidores de regras, sem nos darmos conta de que isso possa estar acontecendo.

    Do branco no ano novo, passando pelo comer só peixe na sexta-feira santa, a usar vermelho no natal, comer ovos de chocolate na páscoa e por aí vai…

    E enquanto tudo corre bem e nos enquadramos no que nos é proposto não existe prejuízo algum…

    As dificuldades, no entanto, começam a acontecer quando nossa realidade pode não estar correspondendo ao que se comemora.

    E quando não nos encaixamos?

    Ser avassalado por um divórcio repentino e se dar conta de que todos seus amigos seguem para o carnaval, enquanto seu único desejo é ter sua vida de volta, pode gerar muito sofrimento.

    E como lidar como uma situação como essa?

    Se você é o agente da situação, se é aquele que vive o contexto desconfortável; talvez exercer o autocuidado, se respeitar e se preservar, a despeito daquilo que culturalmente é esperado de nós pode ser uma saída.

    Lembre-se de que o desconforto de dizer um não aos amigos e deixá-los insatisfeitos pode ser bem menor que se violentar em um momento difícil e se expor a situações que podem lhe causar maiores transtornos.

    Em contrapartida, se você é o coadjuvante que tenta ajudar seu amigo que passa por um momento difícil, seja sensível, se coloque no lugar dele e respeite o posicionamento do outro, mesmo que seja diferente do seu.

    Às vezes, descontruir e se desapegar de regras sociais pode ser libertador…

    Além disso, posturas mais assertivas e coerentes com o que sentimos podem ser poderosíssimas em nos resguardar de situações constrangedoras e que nos gerariam mais dor e sofrimento.

    E você?

    Já passou por algo semelhante?